Histórico
Acontece
Obrigado GENA!
postado em 13 de novembro de 2018

ROBERTO VIEIRA

 

Genival Costa de Barros Lima foi um vencedor. Sob todos os aspectos. Pessoais e desportivos. Craque bom de bola e lutador incansável pela vida. Amigão, irmão, lateral e campeão.

Hoje, jornais, TVs e torcedores irão recordar de GENA. Ele será assunto nas ondas do rádio. Hoje, a memória vai vencer o jogo.

É importante que isso aconteça. GENA  merece.

Mas o amanhã sempre vem. Quando o presente de laterais se encontrando no infinito será onipresente. Pois o futuro sempre vem.

Nesse momento, restará a lembrança dos amigos, a lágrima dos que o viram jogar. E as palavras do Rei do Futebol:

"Foi o melhor lateral direito do Nordeste!".

Pelé que também sofreu diante do futebol do Índio... como tão bem descreveu o mestre, Carlos Henrique Meneses, anos atrás...

Resta agora apenas uma palavra, muito mais importante que o adeus.

Obrigado, GENA!

leia mais ...

Artigos
Quem não se planeja se trumbica
postado em 12 de novembro de 2018

JOSÉ JOAQUIM PINTO DE AZEVEDO  blogdejjpazevedo.com

 

Uma excelente matéria do jornalista Marcus Azevedo, do jornal Estado de São Paulo, trouxe uma análise do estudo da EY, em parceria com a Grafietti, Cesar Finance & Mgmt Consultoria, que aponta o impacto da nova distribuição das cotas de TV, e o desafio que os clubes do futebol brasileiro terão no ano de 2019.

Já mostramos em uma postagem que a partir da próxima temporada, os valores de acordo com a Globo e Turner, além de uma cota fixa, vão levar em consideração jogos transmitidos e desempenho em campo, com uma manor concentração de verba nos primeiros quatro meses.

Um mínimo é fazer um planejamento financeiro para o ano que vem, só assim vão conseguir honrar os compromissos.

A Globo pagará 40% do montante do ano dividido igualitariamente (R$ 22 milhões por clube), com recebimento de 75% do valor entre janeiro e junho, e 25% entre julho e dezembro, mensalmente. A parcela de audiência (30%) será paga entre maio e dezembro. Por fim, os 30% referentes ao desempenho do time serão pagos em dezembro. A Turner usa uma fórmula parecida com um uma divisão de 50%, 25% e 25%.

Na realidade os clubes irão procurar os bancos para antecipar os recursos, reduzindo, por conta dos juros, os valores recebidos. Existe um ponto bem importante nesse sistema e que não pode passar despercebido, é que as antecipações não poderão ser aprovadas pelas entidades financeiras, desde que os clubes não sabem o valor final dos contratos.

Por outro lado o impacto para os rebaixados será muito maior, desde que não existe mais  o paraquedas, e irão migrar imediatamente da Série A para a B. Na realidade será um caos, desde que esses não poderão cortar as despesas na mesma velocidade que perderão receitas.

No inverso, os clubes que ascenderem serão privilegiados com altos recursos.

Trata=se de um novo momento no futebol nacional com relação aos direitos de transmissão e não existe a menor dúvida de que teremos uma crise financeira mais profunda em relação a atual temporada.

Quem não se planejar vai se trumbicar.     

leia mais ...

Acontece
Estaduais a caminho do fim
postado em 08 de novembro de 2018

CLAUDEMIR GOMES

 

Os campeonatos estaduais são enfermos a espera da extrema=unção, graças especiais, para que enfrentem as dificuldades que estão por vir. O prazo de validade dessas competições domésticas está prestes a se extinguir. É uma imposição da nova ordem do futebol.

Há muito que se fala da exclusão de tais competições do calendário do futebol brasileiro. O fato parece iminente, como bem traduziu uma matéria postada nas redes sociais, com declarações do presidente do Atlético Paranaense, Celso Petraglia, dando conta de que, a Rede Globo só patrocinará os Estaduais até 2019, ou seja, a edição  do próximo ano será a última a receber recursos da rede de televisão.

O que estava ruim para ser administrado, sem o patrocínio da Globo se torna inviável.

Segundo dados da matéria, a Globo Nordeste, que banca o Campeonato Pernambucano, tinha um contrato vigente (2015/2018), com cota anual de R$ 3,73 milhões. O montante era dividido em duas cotas:

Cota 1 = Sport, Náutico e Santa Cruz,  R$ 950 mil (cada).

Cota 2 = R$ 110 mil para cada um dos clubes restantes.

O atual modelo do futebol brasileiro se esgarçou. Sua fragmentação não aconteceu do dia pra noite. O processo foi lento, com os clubes envoltos sem esboçar nenhuma reação. CBF e Federações, em nenhum momento pensou em reformas e planejou o futuro com a chegada da Internet que promoveu a internacionalização do futebol.

Os desmandos tiveram vez e voz durante várias décadas. Até que um dia se descobriu que o rei estava nu. O ufanismo de grande parte da imprensa manipulou a massa que se contentava com firulas banais.

E os clubes pequenos, como irão sobreviver?

Eis a grande questão.

Na realidade os pequenos nunca foram protegidos pelas entidades nacional e estaduais. Basta analisar um pouco a distribuição de recursos. A nível estadual, podemos indagar: como um clube que recebe uma cota de R$ 110 mil pode competir, em condições de igualdade, com um outro que recebe R$ 950 mil?

As distorções se tornam maiores quando passamos a analisar o cenário nacional.

A pobreza técnica matou os estaduais.

Campeonato Brasileiro; Copa do Brasil; Libertadores da América; Copa Sul=Americana; Copa do Nordeste (e outras competições regionais)... Faltou espaço para os Estaduais.

O primo pobre, o patinho feio, há muito que vinha sendo esmagado com o inchaço das outras competições. O mestre, José Joaquim Pinto de Azevedo, deu vários gritos de alerta mostrando que, para tantas competições seria necessário aumentar os dias do ano. Como isso é impossível, a exclusão de alguma disputa aconteceria de qualquer forma.

Resultado: os campeonatos estaduais serão deletados.

Enfim, o prazo de validade será decretado a partir de 2020, de acordo com a realidade de cada praça.

leia mais ...

Brasileiro Série A
O jogo do livramento
postado em 05 de novembro de 2018

CLAUDEMIR GOMES

 

Desde que o Campeonato Brasileiro passou a ser disputado pelo sistema de pontos corridos, nunca aconteceu disputa tão renhida, para se livrar do rebaixamento, como a que estamos testemunhando nesta edição da Série A. No cenário atual, um clube pode driblar a Caetana, como diria o mestre, José Joaquim Pinto de Azevedo, com 41 pontos ganhos, fato que torna de vital importância para o livramento do Sport, uma vitória, sobre o Ceará, no confronto que fechará a trigésima=segunda rodada.

Caso o Leão venha contabilizar os três pontos que disputará com o Vovô, deixará a desconfortável zona de rebaixamento, feito pouco provável há algumas rodadas atrás.

# EU ACREDITO

É dessa forma que a torcida leonina se expressa através das redes sociais, ressaltando todo o seu otimismo e esperança no grupo que reagiu após a chegada do técnico, Milton Mendes. Evidente que a do alvinegro cearense também se porta da mesma forma. Afinal, Sport e Ceará reagiram na competição utilizando receitas semelhantes, onde a troca de técnicos foi decisiva para as almejadas reações.

Evocações de todos os tipos são feitas para este confronto direto que traz no seu molho rivalidade histórica, bairrismo, rixas entre torcidas organizadas... tudo para que a soma se torne uma coisa real. Afinal, dos times que estão com a cabeça sob a alça de mira, Sport e Ceará foram os únicos que contabilizaram três vitórias nos últimos cinco jogos.

Os dois treinadores, Lisca e Milton Mendes, já foram protagonistas de feitos que surpreenderam até os mais otimistas torcedores dos dois clubes. Mas falta a ambos o pulo do gato, ou seja, a ultrapassagem do ponto de corte, razão pela qual este clássico regional tem importância fundamental para o futuro dos dois times na competição.

Naturalmente que a vantagem do mando de campo é incontestável, e se bem explorada funciona como ponto de desequilíbrio. O torcedor do Sport por certo vai fazer a Ilha pulsar de uma forma que assuste o adversário. Mas o Ceará tem dado mostras de que não é um animal doméstico, encarou adversários em seus respectivos redutos, e superou o favoritismo que era creditado aos donos da casa.

Chapecoense e América Mineiro perderam seus jogos e entraram na zona de rebaixamento;o Vitória, com o ponto somado no empate com o Paraná, deixou o grupo de queda. O Corinthians perdeu para o Botafogo/RJ e começou a ver o fantasma do rebaixamento no seu retrovisor.

A segunda=feira é de Sport x Ceará.

Nunca se apostou tanto no rugido do Leão. Mas Lisca se diz pronto para reger o coro da torcida do Ceará numa vitória que, se vir a acontecer funcionará como o plus para o milagre a ressurreição que ele vem operando. Vale lembrar que quando ele aportou em Fortaleza, o Vovô já era dado como "morto" na lanterna do Brasileiro.

leia mais ...

Santa Cruz
RAIZ TRICOLOR
postado em 02 de novembro de 2018

CLAUDEMIR GOMES

 

Adonias de Moura, uma das maiores referências da história da crônica esportiva pernambucana, corriqueiramente utilizava uma frase para colocar sua equipe de repórteres na rua: "A notícia não está aqui na redação, lugar de repórter é na rua". O mestre testemunhou os primeiros estágios da telefonia móvel, quando a mesma era privilégio de poucos, e a chegada da internet, mas não usufruiu das vantagens com as quais nos beneficiamos nos dias de hoje.

Ontem, primeiro dia do mês de novembro, de 2018, vivenciei um momento que me fez lembrar Adonias e sua célebre frase:"Lugar de repórter é na rua".

Após receber um convite/intimação de João Caixero de Vasconcelos, para testemunhar a chegada dos primeiros rolos de grama, que irão servir de tapete para o campo número um do Centro de Formação de Atletas Rodolfo Aguiar, me comportei de forma exemplar, e às 7h já estava a postos, no Arruda.

O momento era histórico, especial, para quem acompanha e conhece um pouco da história do Santa Cruz Futebol Clube, um clube que nasceu, cresceu e se fortaleceu com sonhos que foram transformados em realidade através da formação de mutirões.

Quando chegamos ao CT, o caminhão já estava devidamente posicionado para descarregar os primeiros rolos de grama que vieram de Sergipe.

A equipe de trabalhadores se energizou com a chegada do gramado, que era tratado como a "ameixa do pudim". Todos pareciam elétricos. Uma equipe de reportagem da Globo Nordeste registrava tudo, e garimpava detalhes. Era notória a emoção de João Caixero, Aprígio Carvalho, Carlos Simião (Carlos da Vaca), Ricardo de Paula, César Augusto e Saulo Henrique, tricolores que fizeram questão de serem testemunhas da história.

O Centro de Formação de Atletas Rodolfo Aguiar será composto por três campos e mais a concentração. O primeiro equipamento a ser entregue, o campo número um, estará pronto para funcionar em janeiro. O próximo passo, após aposição da grama, será a colocação do alambrado, que foi orçado em R$ 65 mil.

"Há um ano isso aqui não passava de um terreno cheio de mato. Já foram investidos quase R$ 700 mil. Todo esse dinheiro veio através de doações. É um mutirão que funciona através das redes sociais. As pessoas vão vendo os equipamentos surgirem do nada e vão acreditando no sonho", comentou Caixero que é o grande responsável por levar o clube a vencer um desafio que o colocará em sintonia com o Século XXI.

Foi inevitável o mergulho no tempo. Lembrei quando, pela primeira vez, Adonias de Moura, me chamou e revelou: "Vamos ali que vou lhe apresentar o coração do Santa Cruz".

Deixamos a redação do Diário de Pernambuco, na Praça da Independência, e seguimos para a Av. Dantas Barreto. O domicílio da Comissão Patrimonial do Santa Cruz era no Bairro Santo Antônio, centro do Recife. Adonias foi tratado com muito carinho e respeito, tais deferências me deixaram cheio de orgulho do meu editor. E ele logo me apresentou a Marco Antônio Maciel, Rodolfo Aguiar, Aristófanes de Andrade, João Caixero, André de Paula, Enoque Coutinho... uma elite que, por si só, traduzia a grandeza do Clube das Multidões.

Mas aqueles senhores de grande representatividade na sociedade pernambucana, sabiam que eles eram apenas os "pensadores", canais imprescindíveis para execução de obras que ressaltam a grandeza do clube em pedra e cal.

Afinal, a RAIZ do Santa Cruz não é outra senão os mutirões, movimentos populares. São eles que fazem o clube pulsar.

No primeiro dia de novembro, ao cair em campo, como nos bons tempos de repórter, descobrir que o Tricolor do Arruda segue fiel as suas origens. A diferença é que, na era digital os mutirões acontecem através das redes sociais.

O mestre Adonias de Moura sempre esteve com a razão:"A notícia está na rua". Com todo o respeito a geração do google.  

leia mais ...