Acontece
A Fúria do Recife
postado em 31 de maio de 2012


Por ROBERTO VIEIRA


EUA x Chile, 1950.
Este é o maior acontecimento esportivo da história de Pernambuco.
Um jogo decisivo pela Copa do Mundo.
EUA e Chile que estavam no mesmo grupo da... Fúria.
Fúria que vai estrear em Recife na Copa das Confederações.
Fúria que poderá enfrentar o Uruguai.
Uruguai campeão de 1950.
Passado e futuro se encontram na inauguração da ARENA PERNAMBUCO.
Como se 63 anos depois a história brincasse de gato e rato com a gente.
Sim.
O Brasil estará longe de Pernambuco.
Como esteve em 1950.
Brasil que tem pacto com os pernambucanos.
Brasil que passou por aqui nas campanhas de 38, 58, 70 e 94.
Mas é possível que nenhum torcedor do estado esteja lamentando o fato.
Iniesta e Xavi.
Cassillas e Pujol.
Villa e Fabregas.
O combinado Barcelona/Real sem Messi.
Dia 16 de junho de 2013.
19 horas.
Quem ama o futebol tem compromisso marcado com a história do futebol.
Se o Uruguai estiver aqui?
Então sai de baixo...

leia mais ...

Balanço
Realidade assustadora
postado em 30 de maio de 2012

Claudemir Gomes

A Pluri Consultoria publicou um relatório sobre as dívidas fiscais e tributárias de 14 clubes do futebol brasileiro, com bale no balanço de 2011. Os grandes clubes pernambucanos não estavam inclusos no levantamento, mas José Joaquim Pinto de Azevedo analisou os balanços das agremiações estaduais e nos forneceu os números. Não precisa ser um bom economista ou administrador de empresa para chegar à conclusão que o futebol brasileiro é inviável, e os clubes só sobrevivem graças ao tratamento diferenciado que recebem do governo federal.

O Botafogo do Rio é o primeiro do ranking de dívidas com impostos: R$ 318 milhões. A soma do passivo tributário dos clubes cariocas - Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco - é de R$ 966 milhões. O débito dos três clubes pernambucanos - Sport, Náutico e Santa Cruz - é de R$ 151 milhões.

O maior passivo é o do Náutico - R$ 74 milhões - que representa 372% da sua receita anual: R$ 19 milhões. O Santa Cruz tem uma dívida fiscal de R$ 52 milhões, equivalente a 300% de sua receita. O clube mais viável do Estado é o Sport, que tem um passivo fiscal de R$ 26 milhões, mas sua receita é de R$ 46 milhões. O relatório da Pluri Consultoria assustou o mercado nacional.

leia mais ...

Arbitragem
SOS para a arbitragem brasileira
postado em 30 de maio de 2012
Blog de blogdejj :BlogdoJJ, SOS PARA A ARBITRAGEM BRASILEIRA


JOSÉ JOAQUIM PINTO DE AZEVEDO - blogdejj.esporteblog.com.br


Apenas duas rodadas e 20 jogos, e as trapalhadas das arbitragens já são gritantes, causando preocupação com referência ao destino da competição.

O número de participantes da arbitragem cresceu mas não resolveu o problema e o mais grave é que tais erros estão interferindo nas definições das partidas.

Nas duas rodadas realizadas, as reclamações foram diversas, e tivemos dois lances que demonstram o quanto anda a qualidade de nossos árbitros. Um, no jogo do Náutico x Cruzeiro, onde Luiz Flávio de Oliveira expulsou um jogador do Cruzeiro, e revogou a punição, dando um cartão amarelo para um outro atleta da mesma equipe.

No outro lance, o carioca Marcelo de Lima Henrique prejudicou o Palmeiras ao não aplicar um pênalti de Gilberto Silva em Henrique, que aconteceu com tanta clarêza e sómente o mediador e os seus diversos auxiliares não viram.

Devemos ressaltar que as falhas são contigências do ser humano, mas o acúmulo dessas passam do limite e representam que algo de errado deve está acontecendo com a arbitragem brasileira.

O jornalista Meuro Cezar Pereira, da Espn, no dia de ontem, divulgou uma estatística impressionante com relação à atuação dos árbitros, no tocante ao número de faltas marcadas na segunda rodada da competição maior do Brasil.

Sobre esse ponto temos sempre destacado em nossas postagens que o consumidor que paga o seu bilhete para assistir a um jogo de 90 minutos, ou um pouco mais, está recebendo um pacote de no máximo 50% de bola em jogo, visto que o número de paralisações passa de qualquer limite racional, e tal caso só acontece no futebol brasileiro.

Segundo o jornalista, nas 10 partidas realizadas, houve uma média de 36,5 faltas por jogo, chegando a um desses a um pico de 60, que por coincidência foi realizado em Pernambuco, envolvendo Náutico x Cruzeiro, sendo 44 do clube mineiro.

Por coincidência, ainda, teve um concorrente na marcação de faltas, que ficou em segundo lugar. O galardão coube ao pernambucano Nielson Nogueira Dias, que marcou 43 faltas no jogo Fluminense x Figureirense.

Há algum tempo estamos escrevendo sobre o assunto, ao destacarmos que um árbitro se defende parando o jogo, por mais leve que seja o contato, e com isso matando o futebol, pois diminui o tempo de bola rolando e que possa ser alcançado o seu objetivo maior, o gol.

O mais grave, e Paulo Cezar bem refletiu, é que os ¨Zé-Regrinhas¨, como nós chamamos os comentaristas de arbitragem, ainda justificam o modelo atual dessa arbitragem, onde a falta domina e assume o lugar do que poderia ser o espetáculo.

Voltamos à mesma tecla que estamos batendo há longo tempo, ou seja, a profissionalização, para que possam realmente ter uma dedicação integral, aprimorando-se e preparando-se fisicamente para concorrer com os atletas.

Sem a profissionalização e a tecnologia, tudo continuará a acontecer, e o futebol brasileiro cada vez fica mais chato e pragmático, graças às arbitragens e suas constantes falhas.

Os árbitros mandaram uma mensagem de S.O.S.

leia mais ...

Brasileiro Série A
A melhor formação
postado em 29 de maio de 2012

Claudemir Gomes

Os técnicos, Alexandre Gallo e Vágner Mancini ainda buscam a melhor formação para os times do Náutico e do Sport, respectivamente. Nos dois jogos disputados neste início da Série A, foi possível observar que algumas experiências não deram certo. Sábado foi notório o equívoco cometido pelo treinador alvirrubro quando deixou Souza de fora do time.

Alguém nos Aflitos deveria ter dito a Gallo que, uma das coisas positivas do Náutico no Pernambucano foi o encaixe do trio: Derley, Elicarlos e Souza. Também defendo a tese de que Araújo deve ser escalado na sua posição, nunca improvisado como primeiro atacante. O talento tem que ser explorado, nunca sacrificado. Sábado, quando o técnico precisou mexer no time, ficou evidenciada a falta de qualidade nas peças de reposição.

No Sport, Mancini tem feito da vibração dos jogadores a principal arma para surpreender os adversários. Contudo, ele sabe que a superação tem seus limites, e o Sport somente não contabilizou um resultado positivo na Vila Belmiro em virtude da falta de qualidade do time. Não é possível estabelecer uma data para vermos as equipes apresentando o futebol que imaginamos que possam vir a praticar.

No futebol tudo é muito imprevisível. Gleydson e Cléverson se destacaram nos treinos, mas não corresponderam no jogo do Náutico com o Cruzeiro. Marquinhos Paraná e Thiaguinho foram peças nulas no confronto do Sport com o Santos. Montar time não é tarefa fácil, principalmente durante uma disputa.


leia mais ...

Copa 2014
"Juntos num só ritmo"
postado em 29 de maio de 2012


MARCEL RIZZO - FOLHA DE SÃO PAULO


A campanha da Fifa para atrair turistas ao Brasil dispostos a ver a Copa de 2014 vai unir futebol e música.

E isso passa fundamentalmente pelo slogan da competição, que deve ser anunciado oficialmente até o final do ano. Ele já está registrado nos departamentos responsáveis pelo gerenciamento de marcas em três continentes.

"Juntos num só ritmo", o slogan em português, foi concebido principalmente para facilitar o marketing fora do país. Há também versões em inglês, espanhol, francês e alemão. Mas, nesses casos, com uma tradução um pouco diferente do original: "Todos no mesmo ritmo".

A Fifa registrou o slogan nas cinco línguas entre os dias 3 e 7 de maio no departamento da União Europeia responsável pelo gerenciamento de marcas e desenhos no continente.

O registro também foi feito nos órgãos respectivos no Brasil, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial, nos EUA e na Ásia. Isso é necessário para evitar plágios ou que a marca seja usado indevidamente em produtos.

Um esboço de uma das campanhas imaginadas para unir o slogan à música já foi apresentado à Fifa e ao governo brasileiro por empresa contratada para isso. Diz a mensagem: "Venha ao Brasil, terra do futebol e da música, juntos num só ritmo".

Não está descartado que artistas brasileiros sejam convidados a compor temas musicais inéditos.

A Fifa apresenta como um dos principais patrocinadores a Sony, que tem sob contrato no Brasil, por exemplo, o cantor Roberto Carlos.

Amanhã, no Rio, será confirmada a tabela da Copa das Confederações. O campeonato, em 2013, será teste para a Copa do Mundo. Outros dois anúncios, não divulgados, também serão feitos.

Segundo informou a assessoria do COL (Comitê Organizador Local), o slogan não estará no pacote desta vez.

A apresentação contará com a presença do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, pela primeira vez no Brasil desde que falou que o governo brasileiro precisava de um chute no traseiro para acelerar obras do Mundial.

A Folha apurou que um dos motivos pela demora na divulgação do slogan, inicialmente previsto para ser anunciado no primeiro trimestre de 2012, é para que possa ser apresentado já com uma ou duas campanhas publicitárias prontas, em versões em português e em inglês. Além do mal-estar entre o governo e a Fifa, que atrasou algumas definições referentes à Copa.

MENSAGENS

Se a logomarca é a imagem da Copa do Mundo, o slogan é a mensagem principal que o evento pretende transmitir para os outros países.

Em 2006, na Alemanha, a preocupação da Fifa era desfazer a fama de péssimos anfitriões dos alemães. Surgiu então o "Tempo de fazer amigos", também voltado para o turismo associado ao evento.

Na África do Sul, em 2010, o "Ke Nako" ["Está na hora"] remetia ao ineditismo da Copa em solo africano.

leia mais ...