Histórico
Futebol Brasileiro
Radiografia de um moribundo
postado em 27 de fevereiro de 2019

JOSÉ JOAQUIM PINTO DE AZEVEDO = blogdejjpazevedo.com

 

Com raras exceções, as mesmas de sempre, os estádios que abrigam os jogos dos estaduais estão ociosos, numa demonstração de que o torcedor perdeu a simpatia por este tipo de competição.

O Grêmio, na noite da última segunda=feira, jogou numa arena vazia, com um número reduzido de torcedores. Haja prejuízo.

O futebol nacional tem embutido um sadismo explícito, quando os clubes pagam para jogar e ficam alegres com o sofrimento.

Ano após ano, as respostas aos estaduais estão ficando mais claras, enquanto os anestesiados não percebem o que está acontecendo no seu entorno.

Fizemos uma radiografia nos moribundos estaduais pelo Brasil afora, e os números são chocantes, com médias de público de jogos de Ligas do Interior.

Apenas três Estados ultrapassaram a média de cinco mil pagantes por jogo: São Paulo = 7.641; Rio de Janeiro = 5.808, e por incrível que pareça, o Pará com 5.358. Os demais a média de público ficou abaixo de 4 mil torcedores.

A Caravana da Miséria continuou a percorrer o País de Norte a Sul, e a cada Estado observamos a imagem da decadência que tomou conta do futebol brasileiro, em especial nessa competição.

Dois campeonatos tiveram médias acima de três mil pagantes por jogo: Minas Gerais = 3.938 e Rio Grande do Sul = 3.412.

Com média acima de dois mil torcedores aparecem cinco campeonatos: Bahia = 2.876; Paraná = 2.770; Santa Catarina = 2.590 e Alagoas = 2.141.

Em sete Estados os campeonatos apresentaram médias acima de mil torcedores por jogo: PERNAMBUCO = 1.950; Goiás = 1.858; Rio Grande do Norte = 1.827; Ceará = 1.473; Paraíba = 1.479; Espírito Santo = 1.015 e Sergipe = 1.011.

Outros oito Estados somam público abaixo de mil pagantes por partida: Maranhão = 915;  Brasília = 754; Rondônia = 711; Piauí = 654; Mato Grosso = 540; Amazonas = 442; Mato Grosso do Sul = 418 e Acre = 217.

São números reais que foram tirados das imagens, e que comprovam o que estamos perguntando há vários anos: PARA QUE SERVEM OS ESTADUAIS?

As federações têm a obrigação de responderem a pergunta, pois são elas que mantém o moribundo ainda vivo numa UTI.

Pobre futebol brasileiro que vive no mundo de forma alienada, e realizando competições com os clubes pagando para jogar.

Nem Freud poderia explicar.

leia mais ...

Futebol Pernambucano
Perdidos no espaço
postado em 26 de fevereiro de 2019

CLAUDEMIR GOMES

 

Semana passada, o amigo, Gilberto Lyra, torcedor do Santa Cruz, se preparou para assistir ao confronto do seu time com o Náutico, válido pela Copa do Brasil. A partida estava transcorrendo dentro de um nível técnico tão baixo que ele tomou a atitude de desligar a televisão e passou a acompanhar o jogo pelo rádio.

"Os narradores têm a magia de repassar uma emoção que não existe na realidade", me confessou Gilberto como se estivesse justificando o seu comportamento.

No final de semana, assistir ao confronto do Barcelona com o Sevilla, com direito a um show particular de Messi, e a dois jogos do futebol inglês. Não me senti atraído para ver nenhum jogo de campeonatos ou copas que hora acontecem pelo Brasil afora.

Desde a semana passada que o futebol pernambucano foi dragado pelo carnaval. Para se ter uma idéia, os assuntos que mais chamaram a atenção dos torcedores foram fatos que ocorreram extra campo: a divisão de renda e premiação entre Náutico e Santa Cruz, no clássico, e a insana tentativa da diretoria do Sport em querer trazer Diego Souza de volta para a Ilha do Retiro.

O Pernambucano, neste modelo conta=gotas, não desperta o interesse do torcedor, muito pelo contrário, o deixa mais perdido do que cachorro em caminhão de mudança. Vale lembrar que temos clubes no Estado disputando três competições simultaneamente: o Estadual, a Copa do Nordeste e a Copa do Brasil.

O primeiro semestre no futebol brasileiro é mais confuso que os grandes teoremas. As fases iniciais das competições não servem pra nada, razão pela qual os torcedores viram as costas para o que, em outras épocas, era prioridade para eles. Para piorar a situação, é justamente a melhor fase do futebol europeu, quando acontecem as grandes decisões.

Enfim, enquanto não houver um alinhamento de calendário, ficaremos perdidos no espaço.

É meu caro amigo Gilberto Lyra!

A alternativa é mesmo ligar o rádio e dar asas a imaginação. Apesar da televisão nos mostrar tudo ao vivo, e a cores, temos que valorizar o pressuposto.    

leia mais ...

Sport
O Passivo do Leão
postado em 21 de fevereiro de 2019

JOSÉ JOAQUIM PINTO DE AZEVEDO = blogdejjpazevedo

 

O Conselho Deliberativo do Sport, na reunião da terça=feira (19), tomou conhecimento do Passivo do clube que foi deixado pela gestão anterior no total de R$ 118.530.187,43.

No primeiro olhar esse chocou pelo seu tamanho exagerado para um clube com poucas receitas, mas existem alternativas plausíveis para reduzir o impacto na sua vida financeira.

Do total de débitos, quase 50% dos valores estão relacionados aos Tributos Atrasados (R$ 57.980.478,81), que poderão ser parcelados através de um acordo com órgãos credores.

Aliás, o Sport está pagando por mais um erro das gestões Martorelli e Arnaldo Barros, quando não aceitaram entrar no Profut, com, com o único objetivo: o de se livrarem da responsabilidade fiscal.

Com um parcelamento que deve ser feito dentro de sua capacidade de pagamento, o passivo ficaria no total de R$ 60.549,708,56, sendo que o rombo maior está nos itens:

Folhas de 2018: R$ 21.787.463,41;

Agenciamento/Luvas de Atletas, 2018/2019: R$ 13.997.452,13;

Rescisões 2018: R$ 7.129.566,95;

Agenciamento/Imagens/Distratos à Vencer: R$ 6.717.767,29;

TOTAL DOS ITENS: R$ 49.632.259,77.

Desta soma deverão ser excluídos, mais ou menos, R$ 13 milhões, por conta dos acordos que foram realizados na atual gestão, com alguns atletas que foram liberados, restando R$ 36.632.259,77 para que um bom negociador possa tratar de discutir com as partes como esses serão liquidados.

O resumo da história é que esse buraco tão profundo se deu por falta de uma boa gestão, e sobretudo de transparência, que escondeu nas profundezas do inferno tantas mazelas.

Não adianta mais chorar com o leite derramado, e sim começar a trabalhar com a cabeça no lugar, sem açodamento, e depois abrir um processo no Conselho do Clube por conta de tais acontecimentos.

O futebol brasileiro tem que ser escancarado, para que no futuro não tenhamos casos como esses.    

leia mais ...

Acontece
A solidão da poltrona e a era da imbecilidade
postado em 18 de fevereiro de 2019

CLAUDEMIR GOMES

 

A televisão nos oferta um cardápio fantástico de futebol. Do clássico ao grotesco, tem espetáculo para todos os gostos. Sem perceber vamos nos tornando escravos da poltrona. A comodidade; o receio da violência proporcionada pelas torcidas organizadas; a falta de conforto na maioria dos estádios, esses e outros fatores, aliados a desorganização e falta de qualidade que impera no futebol brasileiro, contribuem para uma mudança de hábito e comportamento.

O fascínio dos estádios cheios, o clima contagiante de festa, são marcas registradas do bom futebol que nos dias de hoje parece ser privilégio dos europeus. Evidente que a solidão da poltrona não nos proporciona nada disso, mas nos deixa com uma prerrogativa de mudança de cenário. Afinal, estamos na era digital. Com o controle na mão temos este poder. Se a partida do Campeonato Inglês não está me agradando, de imediato mudo de canal e vou me deliciar com o clássico espanhol...

Prometi a mim mesmo que, no final de semana não me conectaria com os jogos dos campeonatos europeus. As atenções estariam concentradas no futebol brasileiro. Nas nossas coisas.

Constatei que o amigo, José Joaquim Pinto de Azevedo, está coberto de razão quando afirma que "estamos vivendo a era da imbecilidade".

Nada mais patético e grotesco do que a briga de dirigentes do Vasco e do Fluminense por conta do posicionamento das torcidas no Maracanã. Uma coisa que começou em 1950, e que perdura até hoje. Insanidade total dos atuais gestores. A partir daí passamos a ver um festival de lambanças que culminaram com a explosão de uma violência inconcebível.

Esqueçamos o Rio de Janeiro.

Vamos ao clássico pernambucano. O melhor deles: O Clássico das Multidões, o confronto entre os dois clubes donos das maiores torcidas do Estado.

Primeiro impacto negativo: Na Avenida Agamenon Magalhães, um dos maiores corredores de transito do Recife, a Polícia Militar escolta a torcida organizada do Sport. Os "aloprados", não estavam indo para um jogo. Se portavam como se fossem para uma guerra civil.

Segundo impacto negativo: A qualidade técnica do jogo. Estamos falando de dois times que são cotados para brigarem pelo título estadual. É duro constatar o quanto o futebol pernambucano se apequenou. O Estadual é um caricato em comparação a competição que foi em décadas passadas.

Terceiro impacto negativo: O frangaço de Magrão. O goleiro do Sport havia falhado três vezes na derrota do seu time para o Tombense, no meio da semana, no Interior de Minas Gerais. Jogo válido pela Copa do Brasil. Chorou no vestiário. Pediu ao técnico Milton Cruz uma nova oportunidade. O passado lhe creditou a chance de se reabilitar. E o ídolo falhou mais uma vez. Não respeitou a imposição do tempo. A nova derrota do Leão foi posta na sua conta.

Quarto impacto negativo: O pênalti que não foi. O saudoso, Carlos Alberto Oliveira, costumava dizer que, "o diabo entra em campo no tempo da prorrogação". Foi justamente o que aconteceu. Num lance de pura interpretação, o jogador do Santa Cruz corta a bola, de cabeça, e ela resvala no seu braço. As opiniões se dividiram. A Fifa manda respeitar o primeiro toque, ou seja, a cabeçada. A confusão se formou e o protagonista passou a ser Juninho, um jovem que já vive sob alça de mira por conta de um comportamento violento que lhe desabona.

A solidão da poltrona me impõe uma clausura que não condiz com a alegria do futebol.

As asas da liberdade nos mostram que tudo está mudado. Aportamos na "Era da Imbecilidade".   

leia mais ...

Acontece
O pano caiu
postado em 13 de fevereiro de 2019

CLAUDEMIR GOMES

 

O pano caiu!

As autoridades começaram a vistoriar os CTs, alojamentos e concentrações de base nos grandes clubes. Em São Paulo a Prefeitura deu um prazo de 90 dias para os clubes regularizarem seus equipamentos.

Não sei se a medida será copiada em outros Estados.

Segunda=feira, no Bem Amigos, o apresentador, Galvão Bueno, tirou o assunto da pauta de discussão com um simples: "Calma! É preciso muita calma neste momento".

Quando o assunto descamba para os clubes de futebol há sempre alguém evocando o "jeitinho brasileiro".

É o viés da emoção. Afinal, se apertarem o parafuso os clubes fecham. Este é o argumento chave.

E logo o viés político surge como solução para alinhavar a "cortina".

Acredito que todos, pelo menos os mais atentos, devem recordar que a grande CPI que foi instaurada com o objetivo de moralizar o futebol brasileiro deu em pizza.

O desfecho final foi imoral.

A época, a CBF montou uma espécie de Quartel General em Brasília, com o intuito de fortalecer a "Bancada da Bola".

Um ou outro jornalista externou sua indignação, mas os "gritos" foram dragados pelo vento. Palavras ao vento não produzem eco.

O grande desafio do jornalista é não perder a indignação.

As frustrações acontecem de enxurrada. O repórter apura o fato e nem sempre consegue publicar. A "censura" vem de cima para baixo. O dono do jornal se encarrega de calar a boca do profissional para atender aos pedidos dos amigos. Afinal, os políticos e os empresários sempre têm razão. As empresas de comunicação sobrevivem de anúncios. Isto é fato.

E assim a bola vai rolando nas concentrações insalubres, que nunca receberam uma visita da vigilância sanitária; do Corpo de Bombeiros...

"É a confinação do gado", como bem diz o mestre, José Joaquim Pinto de Azevedo.

Certa vez fui apresentado a um executivo de uma multinacional. Ele falou que o seu filho era dono de um talento diferenciado e que gostaria de fazer um teste em determinado clube. A pedido, lhe abri as portas para que ele levasse seu rebento promissor. Dias depois ele me ligou e agradeceu a gentileza, mas ao observar as instalações da concentração ele declinou da idéia.

O garoto acabou sendo um grande piloto de kart.

A lama que escoa nos bastidores do futebol frustra sonhos de jovens em doses homeopáticas. Os dirigentes, os gestores, os procuradores e até a imprensa, com a exceção de raros profissionais, se acostumaram com o estado de coisas.

A morte de quase um time inteiro de jovens promissores do Flamengo fez o pano cair.

E todos começaram a ver que a cozinha precisa de um tratamento urgente.

"Coisas do futebol brasileiro", como diria o saudoso, Edvaldo Morais.

leia mais ...